Corrida e Frequência Cardíaca

O principal músculo que nos permite correr é uma bomba construída perfeitamente para bombear todo o sangue por nosso organismo trazendo refugos metabólicos para serem descartados e levar oxigênio puro para as células permitindo que nós consigamos desempenhar nossas atividades diárias, esse músculo chama-se coração e é sobre a utilização dele como ferramenta de treinamento que vamos discutir neste artigo.

Newsholme 2006 descreve o coração da seguinte forma: Para mover qualquer fluido por um circuito de tubos, uma bomba é necessária. O corpo humano possui duas, empacotadas em conjunto de forma justa, no coração. Cada bomba consiste de duas câmaras musculares; um átrio de parede fina e um ventrículo de parede muito mais espessa.

Devo treinar usando a frequência como base?

Muito se tem dito sobre esse assunto da utilização da frequência como parâmetro de treinamento porém esse uso dever ser bem criterioso visto que existem muitas limitações do uso desse métodos.

Daniel´s 2013 relata fatores que interferem na frequência cardíaca que pode ser afetada pelo fluxo sanguíneo, pela capacidade aeróbica e quantidade de oxigênio transportada pelo sangue, temperatura do ar, roupas que você utiliza seu estado de saúde e fluídos corporais também afetam sua frequência, com isso em mente o autor nos dá algumas razões que você pode observar a alteração da sua frequência.

  • Alteração do volume sanguíneo associada ao grau de hidratação
  • Alteração do sangue disponível para ser enviado aos músculos em atividade o que depende da quantidade destinada a outras regiões como a pele para resfriamento.
  • Alteração de condicionamento físico.
  • Alteração na capacidade do sangue de transportar oxigênio, a qual normalmente depende do estado nutricional.

 

Frequência cardíaca durante o exercício

 

Será que medir a frequência durante o treino vai realmente demonstrar o quão arduamente eu estou treinando? Como observamos acima os fatores citados demonstram que a variação da frequência pode ser muito variável. Se você faz hoje um treino e pretende repeti-lo após um tempo mantendo a mesma frequência será que está trabalhando tão arduamente como na semana anterior? Talvez esteja fazendo um esforço muito forte ou muito leve.

 

Frequência em repouso.

Esse método pode ser muito valido como forma de monitorar a frequência cardíaca. Ao acordar antes de se levantar você pode medir a frequência em repouso e a mesma pode te mostrar dois fatores muito importantes. Se sua frequência vem baixando ao longo dos meses esse fator demonstra uma melhora da capacidade física, porém se o resultado começar a ser uma frequência muito elevada o resultado pode ser não muito agradável, ou seja, um sobre treinamento ( overtraining), uma nutrição inadequada que a curto prazo podem atrapalhar a prática da corrida.

 

Curiosidade: A fórmula 220 menos a idade estabelecida como padrão geral da população muitas vezes apresenta resultados falsos, pois somente um teste de esforço ergométrico pode realmente aferir su areal frequência máxima, já tive aluno de 42 anos ao qual sua frequência máxima seria 178 bpm, no entanto nesse limite o aluno corria de forma tranquila somente com uma frequência de 198 bpm ele chegava a um patamar de não mais conseguir conversar, no caso dele se treina se pela fórmula seus resultados seriam inexpressivos.

 

Então qual seria o benefício de ser treinar utilizando a frequência como forma de monitorar os treinos?

Como você pode observar, o monitoramento da FC pode ser benéfico se você entender suas limitações e treinar de acordo. O maior benefício do monitoramento da FC é evitar o overtraining. Quando sessões de treino similares produzem resultados mais elevados de frequência e ao acordar a FC está acima do normal pode indicar excesso de treinamento. Devendo ser realizados exames e acompanhamento para evitar algo mais grave.

Portanto considero importante monitorar a frequência para termos uma base de seu comportamento no pós-treino. Porém durante a sessão de treino seu uso seria desnecessário se avaliarmos que existem diversos fatores que interferem em seu resultado para que o mesmo seja válido como parâmetro de treino.

 

Apoio:

Dr. Marco Moraes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *